Conheça a linda floresta dos bambus na cidade japonesa de Kyoto

Conheça a linda floresta dos bambus na cidade japonesa de Kyoto

02.09.12

floresta bambu kyoto 01

Um verde estonteante e uma suavidade no ar. Os turistas dizem não esquecer a experiência de visitar o fantástico lugar.

O “bosque” transmite uma sensação acolhedora e pacífica e uma estética única. Localizado no bairro de Arashiyama, periferia da cidade de Kyoto, Japão, o local é um fascinante ponto para passeios e pessoas que buscam paz interior.

floresta bambu kyoto 02

Os passeios entre os bambus proporcionam uma vista incomum e pitoresca. A árvore é usada pelos artesãos japoneses há séculos em copos, hashi (os famosos pauzinhos usados na alimentação como talher) e diversos itens do cotidiano.

A forma simples do bambu, porém estética, é alvo de designers e decoradores, além de ser usado em instrumentos musicais e em armas nas artes marciais.

floresta bambu kyoto 03

Por volta do século X o bambu já era utilizado como parte importante da cultura japonesa e considerado um “material fino e incomparável”, usado na época na construção das casas, lanças, flechas, ornamentação de panelas e até em apitos.

A planta é classificada como incrivelmente forte e durável. Pesquisas demonstram que o bambu possui grande resistência à tração e fornece resistência à compressão quando misturado com concreto, além de ser “indigesto” para os cupins.

floresta bambu kyoto 04

Pesquisas em universidades japonesas demonstraram experimentalmente que casas construídas com bambus conseguem suportar terremotos de 9 graus na escala Richter.

Parece mentira, mas algumas espécies de bambus conseguem crescer 1,20 metro em apenas 24 horas! A planta consegue regenerar sua massa total em apenas 6 meses após ser cortada, enquanto árvores “comuns” levam de 30 a 50 anos.

O bambu pode ser colhido de três em três anos sem provocar nenhum dano ao meio ambiente, pois a cada novo crescimento a planta torna-se mais saudável. Se ele conseguisse ter um período de vida de 500 anos, como é o caso do Pau-Brasil, seria possível cortá-lo mais de 166 vezes.

Fonte: Jornal Ciência

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *