Parábola do ALGUIDAR DE BARRO

Os seres humanos sem rumo, desligados de DEUS, órfãos da luz, assemelham-se a um grupo de formigas que perambulam à borda de um alguidar de barro sem guia, sem destino, até exaurir.

 

 Assim falou INRI CRISTO:

 

“Vós já vistes, meus filhos, como procedem as formigas quando andam em fileira à borda de um alguidar de barro? Elas giram em redondo até exaurir, uma guiada pela outra, na ilusão de estar indo para algum lugar quando na verdade dirigem-se rumo ao fenecimento. Pois assim é o ser humano quando não tem intimidade com DEUS, o CRIADOR Supremo. Ele assemelha-se às formigas obreiras que caminham nas bordas do alguidar de barro incessantemente ignorando que serão vítimas deste círculo vicioso.

 

O obreiro, o operário, o camponês, enfim, o trabalhador, seja qual for sua atividade, quando desconhece a intimidade com DEUS, amanhece e anoitece sem a graça divina. Parte de casa cedo, muitas vezes de madrugada, para trabalhar o dia inteiro. Já chega ao serviço fatigado devido à superlotação dos ônibus, trens, metrôs. Chegada a noite, volta para casa cansado e é obrigado a ouvir as lamuriações e exigências da esposa e dos filhos. Dorme preocupado com o aluguel, as contas de luz e água, o leite das crianças… além da possibilidade de receber a notícia de que foi demitido. No dia seguinte, como uma marionete, enfrenta novamente essa realidade, vítima do sistema cruel que comanda a sociedade contemporânea.

 

Vive em condições mais lamentáveis do que viviam antigamente os escravos, posto que estes ao menos não necessitavam esquentar a cabeça com alimentação, aluguel, vestimenta; pensavam apenas em cumprir  as ordens concernentes ao labor cotidiano. Pensa possuir liberdade de ir e vir, todavia é cerceado, limitado pelas precárias condições econômicas que o impedem muitas vezes até mesmo de circular em um ônibus.

 

E então, para alimentar o círculo vicioso, nos dias de descanso, como única alternativa de lazer irá fornicar para gerar mais um espevô, aumentando a carga de responsabilidade. Em consequência, será obrigado a trabalhar mais, acordar mais cedo e sair do serviço mais tarde a fim de alimentar mais uma boca. E, porque não tem a bênção do ALTÍSSIMO, leva essa vida até o fim da existência terrenal.

 

Todavia, o ser humano que busca a intimidade com o CRIADOR estabelece a simbiose, cultiva uma alegria em seu íntimo havendo colocado em primeiro plano viver em harmonia com o SENHOR DEUS. Deixa de girar em redondo, deixa de ser mais uma formiga obreira no círculo vicioso que é a vida dos habitantes da terra e passa, com a bênção do ALTÍSSIMO, a viver uma vida farta, abundante. Não necessitará fornicar a fim de atingir o prazer ilusório ministrado pelo maligno uma vez que tem consciência do gozo do amor de DEUS; compreende o significado místico da junção carnal sob a luz da espiritualidade só no intuito de gerar um descendente, sendo-lhe facultado pelo SENHOR escolher o número de herdeiros. Assim se portam os filhos de DEUS.”

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *