Peregrinação após o jejum – da América à Europa

Partindo de Santiago do Chile, onde jejuou pela primeira vez e teve a revelação de sua verdadeira identidade, INRI CRISTO continuou sua peregrinação sobre a Terra passando pelo Peru, Colômbia, Venezuela e todos os países da América Central, sempre falando ao povo nas praças públicas, rádios, televisões e universidades em busca do reencontro com os seus filhos, no entanto apresentava-se tão somente como enviado de DEUS. Mesmo ainda não dizendo abertamente ser o mesmo Cristo de dois mil anos atrás, alguns filhos o reconheceram.

Quando chegou ao México já em 1980, para se cumprir o que o SENHOR lhe dissera no jejum, o Jornal Ovaciones publicou na primeira página: “INRI, el Cristo, Hijo de DIOS, habla al pueblo y cura a los enfermos em el Quiosque de la Alameda”. Deste dia em diante, INRI CRISTO passou a dizer publicamente ser o Filho de DEUS que voltou à Terra, o mesmo Cristo que crucificaram. Passou a sentir veementemente o cumprimento do que seu PAI lhe dissera durante o jejum sobre a reprovação. Foi odiado e rejeitado por muitos, amado e reconhecido por poucos.
el sol mexico menor
Registro de INRI CRISTO no México, Jornal El Sol – 1980

Do México partiu em direção aos Estados Unidos. Banido, do aeroporto de Miami seguiu para a Espanha. Em Madrid, quando falava ao povo em frente ao Edifício da Corte Inglesa, devido ao tumulto que causara, a polícia o deteve e o conduziu, junto à multidão, à sede da Guarda Nacional. O general, em conseqüência do alvoroço, deslocou-se do seu gabinete em direção à porta e, ao contemplar seu rosto e ouvir sua voz, disse: “En España, Cristo puede hablar donde quiere”. Posteriormente partiu para Portugal, onde falou ao povo na praça do Rossio, em Lisboa, e vivenciou algumas particularidades dos lusitanos.

Quando chegou a Dover, na Inglaterra, expulsaram-no para o país dos apátridas. A França acolheu-o por nove meses e foi o único país a proclamar nos meios de comunicação: “Lê Christ est revenu sur la Terre” (Cristo voltou à Terra). Dentre todos os países da Europa que visitou, a França foi o mais especial e significativo. A princípio, INRI CRISTO não sabia falar francês. Quando andava pelas ruas e não sabia se teria o que comer ou onde dormir, pois andava unicamente com sua inseparável túnica, seu manto e suas sandálias, despido de bens terrenos, seu PAI lhe mostrava os pedintes e lhe dizia: “Estás vendo, por causa da tua condição representativa, porque tu és meu Filho, tu não podes pedir uma esmola, porque Eu não sou mendigo. Tu não podes pedir nada a ninguém até que teus filhos legítimos venham a ti”. E assim, INRI CRISTO jejuava quando não tinha o que comer e dormia até nos cemitérios e na floresta de Rambouillet quando não tinha onde dormir.

Ironicamente, foi justo nesses momentos dramáticos e extremamente difíceis de sua caminhada sobre a Terra que INRI sentiu a presença veemente e viva de seu PAI, SENHOR e DEUS (leia Uma Noite em Paris no livro DESPERTADOR 1ª parte, editado pelo MÉPIC). Depois de jejuar, as primeiras palavras que INRI CRISTO pronunciou em francês foram: “Avec mes mains, mon PÉRE guerid lês malades” (Pelas minhas mãos meu PAI cura os enfermos). A partir de então, através de suas mãos, ocorreram inúmeros e notórios milagres, que ele nunca atribui a si mesmo e sim unicamente a seu PAI. A França foi o país onde mais se produziram os sinais de DEUS, fato registrado pela imprensa local e reportado pelo MÉPIC no livro DESPERTADOR 2ª parte.

Mesmo sendo bem acolhido pelo povo francês, INRI CRISTO tinha ordem de voltar ao Brasil a fim de fundar a SOUST, Nova Ordem Católica. Foi declarado apátrida na França e nessa condição voltou ao Brasil. Chegou a Salvador – BA em 21/03/1981 e até a data da revolução percorreu sozinho todas as capitais e principais cidades brasileiras. O SENHOR disse-lhe que, enquanto não fundasse a Nova Ordem Católica, não podia ter discípulos a lhe acompanhar.